04 fevereiro 2011

Movimentos e movimentações


Sim, repetimos: transparência. Melhor: transparência do Estado, matéria em que o MNE não se pode nem deve isentar (MNE-ministério e não tanto o ministro, ou "máquina" da cave ao telhado e não tanto o decisor político lá do terceiro andar que confia, se preferirem). Mas por vezes isenta-se sem que se saiba ou fazendo tudo para que nada se saiba, transpire. E dizemos isto porque um movimento diplomático, que tem regras, não pode conviver com a satisfação de favores ou ser condicionado por favores prévios. E a reforçar que haverá razões para muitos suspeitarem que isso tem acontecido, nem um nem dois ministros (talvez mais...) no passado ou andavam no pavor de ofender a máquina, ou passavam os dias a temê-la e desmaiavam ao primeiro prurido, ou como também aconteceu escorregavam em cascas de banana muito bem colocadas na curva à esquerda da escada do 1.º para o 2.º andar. E por agora é tudo.

2 comentários:

Jose Martins disse...

Ahhhhhhhhhhhhhhhhh é isso e duas louças.... A de fainça segue para bons postos e a de barro vai para os detestados. A louça de barro tem que se sujeitar e aproveitar é melhor que nada!

patricio branco disse...

"Há algo podre no reino da dinamarca".
Sim, há muitos podres no reino e mais se verão, à medida que o reinado entre na contagem dcrescente.
Tu vais para aqui, ele para alem, nós para lá, eles para ali, sim vamos arrumando as coisas, quanto antes melhor.