07 maio 2011

Mais trabalho para o embaixador Asko Numminen...

Através de Duas ou três Coisas, algo mais
que o embaixador Asko Henrik Numminen pode reportar.
Clique na seta

5 comentários:

Fábio Paulos disse...

interessante o video

patricio branco disse...

Bem feito, sem duvida, convincente na maioria dos factos apresentados, outros, mas poucos, não os acho simpaticos, são discutiveis (não sei se o nosso ronaldo é melhor que o brasileiro, nem interessa, mas é arrogancia dizê-lo; comparar schindler com sousa mendes dizendo que este é superior é dificil e falivel, alem de tambem arrogante; dizer que comemos o porco inteiro pode causar repugnancia aos finlandeses; não sei se inventámos o bacalhau; os médicos portugueses nas cortes da europa eram na maioria judeus expatriados por motivos religiosos, não é um facto abonatório que tenham sido obrigados a refugiar-se no estrangeiro).
Mas a maioria dos factos é convincente e orgulha-nos.

Jorge da Paz disse...

Excelente!

Claro que a heroica desobediência de Aristides de Souza Mendes a Salazar, que permitiu salvar mais de 30.000 seres humanos do holocausto nazi, é muito mais relevante que Schindler, pois este agiu também com o interesse de manter a sua fábrica a laborar para.. os nazis!

Seria bom que chegasse aos próprios finlandeses, avivando-lhe a memória da nossa ajuda em 1940.

patricio branco disse...

Interessante que há muito que não tinhamos uma onda de nacionalismo como esta à volta das intenções da finlandia.
A troika aceitamo-la fatalisticamente, apenas alguma pequena voz discordante, se os nossos governantes puseram isto na situação em que está, que venham os estrangeiros a ver se consertam o país.
Mas em relação à finlandia, temos reagido, e bem. Talvez o mais próximo antecedente de manifestação de nacionalismopatriotismo tenha sido o 1 dezembro de 1940 e algum episódio das invasões francesas.
Antes tinha havido a padeira de aljubarrota.
Não deixa portanto de ser util haver finlandias que nos despertem e nos façam reagir.

Jorge da Paz disse...

E que tal publicar a resposta dos Finlandeses? Por acaso até é muito educada e simpática.